Luta Estilo Livre

A Luta Estilo Livre tem menos história e popularidade que a Greco-Romana, mas é praticada há mais de um século. No início, a disciplina era mais uma forma de entretenimento, e combates eram atrações em feiras e festivais por todo o território dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha.

Como o próprio nome diz, a Luta Estilo Livre é um estilo mais completo, em que não há restrição do uso de partes do corpo para derrubar e imobilizar o adversário – ao contrário da Greco-Romana, na qual os participantes podem usar apenas seus braços e tronco. É permitido utilizar as pernas e segurar o oponente abaixo da cintura.

A disciplina fez sua estreia oficial nos Jogos de 1904, em Saint Louis. O esporte não esteve no programa dos Jogos de Estocolmo, em 1912, mas voltou para ficar de vez entre as competições olímpicas na edição de 1920, em Antuérpia, na Bélgica. Um estímulo foi a criação da Federação Internacional de Lutas (Fila, em francês), em 1921. Eventos femininos só começaram a ser disputados em 2004, em Atenas, na Grécia.

As categorias são divididas por peso – até 57 quilos é a mais leve entre as seis disputadas pelos homens, e até 125 kg a mais pesada. A Luta Livre feminina também conta com seis categorias: até 48 kg, até 53 kg, até 58 kg, até 63 kg, até 69 kg e até 75 kg.

Assim como no estilo Greco-Romano, os combates acontecem em uma área de 9m de diâmetro dentro de um tapete sintético de 12 x 12m. Cada luta é disputada em melhor de três rounds, de dois minutos cada e, caso ninguém consiga imobilizar o adversário de costas no solo, a decisão fica por conta dos juízes, que avaliam o desempenho de cada lutador por meio de pontos.

A disputa dos eventos da Luta Estilo Livre é no sistema de eliminatória simples, e os dois vencedores de cada lado da chave se enfrentam pelo ouro. Dois grupos de repescagem são formados por todos os lutadores que perderem para os finalistas em qualquer fase do torneio, e o ganhador de cada uma destas chaves conquista uma medalha de bronze.