Os Jogos Olímpicos

É difícil identificar um esporte que tenha servido de base para o Handebol: a disciplina é derivada de uma série de jogos de equipe, nos quais a bola passava de mão em mão até chegar ao gol rival, em gramados e com 11 jogadores de cada lado. Os mais próximos eram o Raftball, surgido na Alemanha na década de 1890, e o Torball, disputado por operárias de fábricas de Berlim durante a Primeira Guerra Mundial como uma alternativa ao Futebol.

No fim da década de 1910, o Handebol nasceu graças aos esforços dos professores alemães Max Heiser e Karl Schelenz, que formularam as regras para mulheres e homens, respectivamente. O prestígio de Schelenz levou a disciplina a se espalhar rapidamente pela Europa, por meio de seus alunos. Em 1928, surgia a Federação Internacional de Handebol (IHF), por ocasião dos Jogos Olímpicos daquele ano, em Amsterdã, na Holanda.

Entretanto, os constantes problemas com nevascas e a dificuldade de dividir os gramados com os jogos de Futebol levaram o esporte a ginásios fechados em países como a Suécia. Outra mudança importante com este novo formato foi a diminuição das equipes, que caíram de 11 para sete jogadores em cada lado.

Apesar das mudanças, o Handebol fez sua primeira aparição nos Jogos de 1936, em Berlim, no evento de campo, com 11 jogadores por equipe. A disciplina só voltou na edição de 1952, em Helsinque, como esporte de demonstração. Ao mesmo tempo, ginásios lotavam em países da Escandinávia para acompanhar partidas no formato mais compacto.

A disciplina só retornaria de vez ao programa olímpico nos Jogos de 1972, em Munique, já no formato em quadra fechada e com menos participantes por equipe, que conquistou de vez o público. As competições para mulheres só começaram a ser disputadas na edição de 1976, em Montreal, no Canadá.

A quadra de Handebol mede 40 x 20 metros, e os gols têm 3 x 2m. Cada um dos gols é cercado por uma área de 6m, em que só os goleiros podem ficar. Para fazer gols, os jogadores de linha têm de arremessar a bola de trás desta marcação, ou pulando sobre ela.

É permitido usar mãos e braços para passar a bola, mas ela nunca pode tocar abaixo do joelho. Uma vez de posse dela, o jogador pode segurá-la por até três segundos e dar três passos – o seguinte terá de ser um novo passe ou arremesso a gol.

A bola, de couro sintético, possui uma circunferência de entre 58 e 60 centímetros na disputa masculina, e entre 54 e 56 cm na feminina. As partidas têm duração de dois tempos de 30 minutos cada – por ser um jogo dinâmico, é comum que os placares sejam altos. A equipe que fizer mais gols é a vencedora.

Nos Jogos Olímpicos, o formato de disputa para homens e mulheres é o mesmo: os 12 países participantes de cada evento são divididos em dois grupos de seis, com todos se enfrentando dentro das chaves. Os quatro melhores avançam à próxima etapa, que é eliminatória, e os melhores de cada lado disputam o ouro. Já os perdedores das semifinais brigam pelo bronze.

Na fase eliminatória, as partidas que terminaram empatadas no tempo normal terão mais uma prorrogação, com dois tempos de cinco minutos. Caso a igualdade persista, um novo período é disputado. Se ainda assim não houver um vencedor, acontece uma disputa de pênaltis de sete metros, com cinco tentativas por time e eliminação direta até que saia um ganhador.