Os Jogos Olímpicos

O Ciclismo BMX é a disciplina mais nova em disputa nos Jogos Olímpicos – teve sua estreia em Pequim, no ano de 2008. O esporte surgiu no final da década de 1960, na Califórnia, de carona na onda do motocross em todo o território americano. Inspirados nos circuitos de rampas de terra e repletos de obstáculos, crianças e adolescentes construíam pistas nos quintais e terrenos perto de suas casas, e daí nascia o Bicycle Moto Cross, ou BMX.

Por ser de baixo custo, logo se tornou uma febre. E nos anos 70 surgiu a primeira federação para gerir o esporte, nos Estados Unidos. Conforme as corridas vinham se tornando mais populares, chegavam também a outros continentes. A Europa passou a praticá-lo no início da década de 80.

A Federação Internacional de BMX surgiu em 1981, e no ano seguinte foi realizado o primeiro Mundial da disciplina. No ano de 1993, passou a ser gerido pela União Ciclista Internacional (UCI). As bicicletas têm apenas uma marcha e um freio, rodas aro 20, e quadro resistente para aguentar as subidas, descidas, rampas e obstáculos das pistas.

O único evento do Ciclismo BMX em Jogos Olímpicos é o Supercross. Os participantes largam de uma rampa de dez metros, disputando diversas baterias, com oito ciclistas cada, e duração de aproximadamente 40 segundos. Os quatro melhores vão avançando de fase até a final. A pista tem uma pequena diferença de extensão: é de 470 metros para homens, e 430 para mulheres.