Entrevistas

Daiane Ramos

Enviar para um amigo

Daiane Ramos posa no novo prédio do Comitê Organizador Rio 2016™ (Foto: Lucas Freitas/Rio 2016™)

Faltam três anos e cinco meses para a promissora Cerimônia de Abertura dos primeiros Jogos Olímpicos e Paralímpicos da América do Sul. A cada dia, o trabalho do Comitê Organizador Rio 2016™ fica mais intenso. Dias marcantes já se passaram e muitos ainda estão por vir. A última segunda-feira, dia 11 de março, foi um desses dias. A data marcou a mudança de casa do Comitê Organizador, que deixou o prédio do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), na Barra, e se mudou definitivamente para o Estácio, na região central do Rio de Janeiro.

Responsável por oferecer a todos os profissionais que trabalham no Comitê Organizador o melhor ambiente possível para realizar o maior evento do mundo, a gaúcha Daiane Ramos caiu de cabeça na função desde o dia 9 de outubro de 2011. Com a experiência de quem trabalhou na operação de estádios de renome como Arsenal, Chelsea, Fulham e Wembley, em eventos como a Corrida de Cavalos Real de Ascot (Royal Ascot) e festivais como o de Reading e Leeds, a Gerente Administrativo do Comitê Organizador Rio 2016™ voltou ao Brasil com o objetivo de elevar o país a exemplo de organização e excelência nos Jogos.

“Meu trabalho é simples e ao mesmo tempo complexo, tenho que oferecer um ambiente harmonioso, seguro e funcional. Todos os dias, o time administrativo trabalha para entregar um local apropriado para que todos realizem suas funções. Minha função ainda exige encontrar profissionais habilitados, preparados e comprometidos para fazer parte desse time e até preparar o mercado, fornecedores brasileiros para atender a uma organização com tantas particularidades como a nossa”, explicou Daiane.

Mas como planejar um ambiente de trabalho que hoje conta com 440 profissionais e que vai crescer mensalmente até 2016? Em dezembro, por exemplo, o número de funcionários do Rio 2016™ já estará na faixa de 600 pessoas.

“Nosso trabalho é sempre integrado com a área de workforce/RH (recursos humanos), que com a curva de headcount, consegue nos apresentar mês a mês as previsões de contratação. Quando aliamos isso ao número de possíveis terceirizados contratados até dezembro de 2013, chegamos a uma equação de posições de trabalho por áreas funcionais. Foi um processo delicado, uma vez que existem áreas que se correlacionam muito e portanto, foi um trabalho minucioso e parceria com nossos gestores. A partir daí, é um coquetel de informações que precisamos concatenar. Também é preciso criar uma matriz de prioridades que se repetirá com as próximas fases desse projeto inovador que permitirá receber  mais de 2000 profissionais em uma instalação com estrutura de módulo habitacional,  conceito sustentável  e  visual moderno”, disse Daiane.

Experiência que leva à excelência

Daiane se mudou ainda adolescente para Santa Catarina e, pensando em ingressar na carreira diplomática, a gaúcha formou-se em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina. No entando, ingressou na carreira administrativa e fez Mestrado em Gerenciamento na Universidade de Middlesex, na Inglaterra.
“No mesmo ano da minha graduação, porém, recebi uma proposta de estudar inglês em Londres e, em 2003, fui morar na capital inglesa onde deveria permanecer por um ano depois de já ter trabalhado em empresas de grande porte no Brasil”, explicou.

Em Londres, Daiane trabalhou por três anos em uma empresa da área de Facilites nos principais estádios ingleses e nos grandes eventos esportivos. Ela era responsável pela logística dos times de limpeza emergencial, limpeza corretiva e limpeza operacional.

“Em eventos de grande porte, fazíamos desde a busca pelos mais de 200 recursos por evento, controle de ponto, logística de uniformes, deliberação das equipes por áreas de trabalho, alocação de supervisores e o checklist da entrega. Coordenava, quando em eventos externos, a logística de busca, o retorno dos profissionais a suas casas, o orçamento para compra de insumos, pagamentos de folha e logística de cada evento”.

Exemplo vivo desse mundo globalizado, Daiane ainda morou na Itália por oito meses, trabalhou como coordenadora de Facilities do HSBC UK, fez Mestrado na área de gerenciamento e foi responsável por todos os serviços de catering (buffet), jardinagem, dedetização, segurança, limpeza e conservação, gestão de salas de reunião, malote interno e externo, limpeza de fachadas e coleta de resíduos em um complexo de sete prédios da Kodak na Europa.

Daiane ainda trabalhou na polícia metropolitana de Londres: “Vi a possibilidade de aprender a lidar com pessoas de culturas diferentes, de línguas e temperamentos diferentes, o que entendo ser crucial em qualquer profissão que lide com pessoas. Foi então que participei do processo seletivo para polícia londrina e, após um ano de curso, lotei-me na delegacia de Wembley atendendo especialmente eventos de grande repercussão e protegendo a comunidade local. Estou de licença não remunerada até 2016”.

A saudade de casa e a possibilidade de trabalhar no maior evento do mundo trouxeram de volta ao Brasil essa profissional gaúcha, que agora mora no Rio de Janeiro. Mais um golaço do Comitê Organizador Rio 2016™, que busca profissionais competentes e experientes para realizar o maior evento esportivo do mundo com o melhor do povo brasileiro.

 

Enviar para um amigo

Filtrar em Entrevistas

Newsletter

Cadastre-se e receba por e-mail as últimas notícias do Rio 2016™.

+