Perguntas Frequentes

A área de Perguntas Frequentes foi criada para esclarecer os principais assuntos referentes aos Jogos Rio 2016 de uma maneira fácil e ágil.

  • 1. Por que o Brasil decidiu se candidatar à sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos?

    A candidatura Rio 2016 foi motivada pelo desejo de associar o poder dos esportes Olímpicos e Paralímpicos ao espírito festivo dos cariocas, com o objetivo de trazer desenvolvimento sustentável para o Brasil e para os Movimentos Olímpico e Paralímpico. Para os cariocas, esse desenvolvimento seria associado à transformação da cidade, com o surgimento de uma nova infraestrutura urbana, novas iniciativas ambientais, físicas e sociais, além de vantagens e oportunidades para todos. Outra motivação foi a possibilidade de estimular com os Jogos o crescimento contínuo da economia e do turismo no país, trazendo para o Brasil um novo nível de reconhecimento internacional e reforçando a reputação do país de ser um lugar apaixonante, onde é bom viver, realizar negócios e fazer turismo. Além disso, sempre foi parte da visão de longo prazo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e de seu presidente, Carlos Arthur Nuzman, vislumbrar na organização de grandes eventos no Brasil como a melhor forma de acelerar o desenvolvimento do esporte no país.

  • 2. Por que o Rio de Janeiro foi escolhido como sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016?

    Todas as cidades candidatas precisavam entregar sólidas propostas técnicas, e foi isso que o Rio de Janeiro fez. Outros pontos decisivos foram a união dos três níveis de governo, o fato de os Jogos nunca terem sido realizados na América do Sul e de o povo brasileiro ser conhecido mundialmente por sua forma de celebrar o esporte. Além disso, o Comitê Olímpico Internacional percebeu o poder de transformação que estes Jogos significam para o Rio, para o Brasil e para a América do Sul. Para os Movimentos Olímpico e Paralímpico, essa decisão significou abrir uma nova e promissora fronteira e inspirar 65 milhões de jovens com menos de 18 anos no Brasil e 180 milhões por todo o continente.